O EMPRESÁRIO, NO PRESENTE E FUTURO

Frente às vertiginosas idéias e pressupostos da 4ª Revolução Industrial, há um ambiente empresarial inquietante e obstinado por avançar no aprimoramento científico, conhecimento aprofundado e ações persistentes na direção da estilização mais intensiva da internet das coisas e da robotização na busca da sustentabilidade para os seus empreendimentos, flertando, com essas ações, perspectivas de inovações e vantagens competitivas no presente e, mais ainda, para o futuro.
Essa é, verdadeiramente, um lado da face do que representa ser empresário. Não se pode deixar de “bater o martelo na bigorna”, não se pode parar para descansar e é preciso agir o “tempo todo” e, ao mesmo tempo, estar, permanentemente, planejando ações sustentáveis para a frente.
É dever e oportuno que um País construa continuamente ambientes favoráveis à atividade empresarial. Mais que isso, é preciso estimular e apoiar para que os negócios floresçam. São as empresas que geram empregos; riquezas e que pagam impostos ao Setor Público.
Parece simples e óbvio que “todos” saibam dessas realidades, mas, na verdade, o pensamento de muitos “agentes” se contrapõe a esses princípios, olhando para as empresas como fontes inesgotáveis de lucros e que os riscos inerentes de empreender não existem.
Quanto mais forte o elo entre o capital e o trabalho, maior será a perspectiva de sucesso empresarial. Não existe capital sem trabalho e trabalho sem capital.
O Brasil, vem se configurando ao longo do tempo e até o presente em um País relativamente inóspito para os negócios: Temos uma carga tributária insuportável que sufoca as empresas; temos um elevadíssimo nível de encargos trabalhistas que as sobreoneram e dificulta a geração de empregos; temos deficiências estruturais na infraestrutura e, por isso, mais cara; temos inconsistências em logística, que é mais onerosa comparativamente aos concorrentes internacionais e, por fim, temos um sistema financeiro que pratica juros elevados, com créditos relativamente escassos.
Como amálgama de tantas dificuldades, temos ainda consumidores retraídos, inconstantes e inseguros em relação ao futuro de seus empregos e negócios.
Que País queremos para o amanhã ?
-Esse futuro dependerá de nossas ações na próxima eleição presidencial.
MESSIAS MERCADANTE DE CASTRO é professor da Uni Anchieta e autor do livro “O Gerenciamento da Vida Pessoal, Profissional e Empresarial” – Ed. M. Books – SP e Gestor de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia de Jundiaí. Email: messiasmercadante@terra.com.br

Compartilhe