O DIA DO TRABALHO

No dia 1º de maio de 1886, na industrializada cidade de
<http://www.suapesquisa.com/cidadesdomundo/chicago.htm> Chicago USA,
milhares de trabalhadores foram às ruas reivindicar melhores condições de
trabalho, entre elas a redução da jornada de trabalho de treze para oito
horas diárias. Neste mesmo dia uma greve geral ocorreria. Dois dias após os
acontecimentos, um conflito envolvendo policiais e trabalhador provocou a
morte de alguns manifestantes. Os trabalhadores se revoltaram enfrentando a
polícia, sendo que no dia 4 de maio, manifestantes atiraram uma bomba nos
policiais, provocando a morte de sete deles. Foi o estopim para que os
policiais começassem a atirar matando doze trabalhadores e ferindo dezenas.
Para homenageá-los, a segunda “Internacional
<http://www.suapesquisa.com/geografia/socialismo> Socialista” de 20 de junho
de 1889, criou o Dia Mundial do Trabalho. Aqui no Brasil a data é comemorada
desde 1895, porém, foi somente em setembro de 1925 que a data tornou-se
oficial, com decreto do então presidente, Artur Bernardes. Empresários são
empreendedores, por tanto trabalhadores. Estima-se que existam hoje entre
85% e 90% de empresas familiares no Brasil. As empresas familiares surgiram
no Brasil no início século 14 com as Capitanias Hereditárias. Em conjunto
com as Capitanias o Brasil recebeu as Companhias Hereditárias, que podiam
ser transferidas por herança aos herdeiros dos administradores das
Capitanias. As empresas familiares não são necessariamente desorganizadas e
amadoras. A questão do profissionalismo e o conseqüente sucesso é resultado
da maturidade, espírito de preservação e planejamento. Existe uma estreita
ou considerável relação entre propriedade e controle exercido justamente com
base nessa propriedade. O primeiro passo para a continuidade e sucesso da
empresa familiar é separar o ambiente empresarial do quintal de casa. O
segundo passo é um bom plano de sucessão familiar. Um dia, os fundadores
estarão cansados e com outros objetivos que não empresariais. Para perenizar
o negócio, vale um plano de sucessão que inclua uma firme missão para
fundadores e herdeiros. As raízes da cultura e os valores familiares sempre
afloram, para administrá-los importante objetivos claros e organizados,
assim como se faz necessário mudar atitudes e seguir indicadores gerenciais
confiáveis, onde cada área e cada líder saibam o resultado de seu trabalho,
sendo cobrados com precisão, sem lutas por espaços, medos e ameaças por
erros que cometam, devem diferenciar os interesses da família dos da
empresa. Alguns empresários preferem morrer abraçados e sós em seus
empreendimentos a ver seus herdeiros propiciando o sucesso empresarial e a
perenização de sua fundação. Pais e mães vêem seus filhos como eternos
bebês. Um dia, perguntei a um empresário que naufragava com sua empresa,
porque seus filhos não estavam ao seu lado naquele momento tão difícil. Sua
resposta foi que as “crianças” não se interessavam e tinham outros
objetivos. Imediatamente, ao questionar a criançada de 36, 45 e 46 anos
ouvi o óbvio. “Meu pai é centralizador e nos trata com idiotas nos impedindo
de trabalhar”. Para as empresas familiares continuarem vivas a partir da
nova realidade econômica global se faz necessária profissionalização. Para
que se tenha trabalho há de haver capital com políticas claras que permita o
empreendedorismo florescer e desenvolver.

Compartilhe