MOMENTO HISTÓRICO

Esse momento é histórico, promete ser memorável e ir para os livros. Em 2018
sobrarão pontes de feriados, haverá Copa do Mundo de Futebol, eleições
majoritárias e ainda, muitas gente importante indo para cadeia. Vamos
começar com um fato que muito pouco vem se falando, é o caso do Deputado
Federal Paulo Maluf (PP-SP) 86 anos. Baluarte do crime de colarinho branco,
Maluf é um larápio clássico que teve seu auge como governador de São Paulo
de 1979 a 1982, mas nunca se afastou da política e do furto aos cofres
públicos. Trata-se de um bandido completo, capaz de fraudar inclusive uma
recuperação judicial milionária para empresa da família. Em sua homenagem
forjou-se o jargão “malufar”, que significa roubar. M aluf foi condenado
pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e foi preso em dezembro, após a decisão
do ministro Edson Fachin, que determinou cumprimento da pena de 7 anos, 9
meses e 10 dias de prisão. Maluf em fim está preso. E por falar em ladrão,
outro nome de peso, dessa vez menos clássico e mais descarado, é o
ex-presidente, hoje pré candidato do PT a presidência da república, Luis
Inácio Lula da Silva. Condenado em julho de 2017 a nove anos e meio de
prisão, terá o julgamento de sua apelação no TRF-4 (Tribunal Regional
Federal da 4ª Região) em Porto Alegre no dia 24 de janeiro. A corte vai
analisar o chamado processo do tríplex, da Operação Lava Jato. Parece certo
que o chefão será trancafiado e também é certo que sua banca milionária de
advogados apelará a tudo que podem, lutando com unhas e dentes, mas deverá
apodrecer vivo nessa trajetória. A seleção brasileira de futebol promete
mais um grande papelão na Copa do Mundo. Enterrada em escândalos de todos os
tipos, a FIFA não possui envergadura moral para promover o evento sem
desconfianças. Já nossa Confederação Brasileira de Desportos (CBF), vem
chafurdando em escândalos de corrupção, não consegue organizar bases para
que o País retome sua hegemonia futebolística. Há pouco, a saída do pré
candidato a presidência Jair Bolsonaro do PEN- Patriota e sua chegada ao PSL
rendeu a melhor síntese para definir esse sujeito e Lula; “Bolsonaro é como
Lula, um candidato antissistema, carismático, com ares messiânicos de
justiceiro, dotado de uma visão estadista e autoritária, que surfa na 22
demagogia”, (disse Sergio Bivar do Livres). Esse momento promete fortes
emoções e certamente entrará para os livros de história.

Compartilhe