LEGADO DA COPA FIFA 2018

O brasileiro na sua maioria, é inconseqüente, fanfarrão e letárgico quando
lhe oferecem pão e circo, no caso, a Copa do Mundo FIFA 2018. Enquanto o
evento ocupava cem por cento da mídia, acumulou-se um desastroso legado. A
Segunda Turma do Suprema Tribunal Federal (STF), tomou várias decisões
contrárias ao Brasil. Foi uma decisão atrás da outra. Anulou as provas da
Operação Custo Brasil, que investigou suspeita de corrupção no Ministério do
Planejamento de Paulo Bernardo, marido da senadora Gleisi Hoffmann
. A Polícia Federal fez
buscas no apartamento funcional da senadora, pois ali também morava Paulo
Bernardo. Os ministros Dias Toffoli
, Gilmar Mendes e Ricardo
Lewandowski consideraram que a ordem não poderia ter partido de um juiz de
primeira instância. Depois, os ministros analisaram dois casos de pedido de
liberdade em seqüência: de João Cláudio Genu, ex-tesoureiro do Partido
Progressista, e do ex-ministro José Dirceu, soltando-os imediatamente.
Ricardo Lewandowski (STF) proibiu o governo de privatizar empresas estatais
sem prévia autorização do Congresso. Numa decisão o ministro atendeu um
pedido da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica
Federal (Fenae) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo
Financeiro (Contraf), esta última ligada à Central Única dos Trabalhadores
(CUT). A liminar, proferida de forma individual, ainda poderá ser revertida
pelo plenário do STF, formado por 11 ministros, mas ainda não há previsão de
quando isso possa ocorrer. Ainda nesse show de horror, o ministro Gilmar
Mendes (STF), determinou arquivamento de inquérito aberto para investigar o
envolvimento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) em supostas irregularidades
cometidas em Furnas, subsidiária da Eletrobras em Minas Gerais que gera
energia elétrica. A Procuradoria Geral da República havia pedido o envio do
caso para a primeira instância, mas o ministro Gilmar Mendes decidiu pelo
arquivamento do caso. Até quando estaremos “deitados em berço esplêndido”,
porém dormindo? Quando deixaremos a letargia inconseqüente para lutarmos por
nossos direitos? Haverá um dia que canalhas de gravata e de toga
contribuirão para um País independente e republicano? Quando o Brasil
deixará de ser o “País do Futuro” para pavimentar seu tempo presente com
racionalidade e realismo? Ainda tenho esperança de assistir esse momento e
comemorar nosso amadurecimento.

Compartilhe