Caiu na rede

A educação é a mais valiosa e eficiente ferramenta de inclusão com que se pode contar. Ela é responsabilidade de todos e ninguém pode se escusar de não ser chamado a participar dos debates que procuram seu contínuo aperfeiçoamento.

Em momentos críticos é que ideias criativas podem suprir a carência de recursos financeiros e mobilizar a boa vontade e a lucidez pátria para encontrar alternativas.

Um atalho importante para a inclusão é a educação física. Nada mais atraente e sedutor para a infância e a juventude, do que a utilização de todas as potencialidades de um corpo repleto de vigor e de esfuziante vitalidade, para canalizar essas energias rumo a um processo de crescimento integral. Corpo saudável é a estrutura imprescindível para uma consciência também sadia.

Manter infância e mocidade reclusas durante longos períodos em salas de aula que ainda conservam estruturas arcaicas e superadas de distribuição do espaço físico é missão a cada dia mais impossível. Por isso o papel que a atividade física precisa exercer e suprir as deficiências do processo educativo, de maneira a seduzir essa faixa etária para a relevância do contínuo aprendizado.

Além do diálogo permanente e presencial, entre professores do mesmo estabelecimento, é conveniente se servir de maneira adequada das redes sociais. Há milhares de oportunidades acessíveis para que os interessados perscrutem por múltiplos ambientes o que pode ser feito em termos de tornar atraente o ensino e de aproveitar a sedução natural da educação física para reconduzir o egresso, aquele que se evadiu da escola, de volta ao seio acolhedor da comunidade escolar.

Para quem ainda não se acostumou a essas “viagens virtuais”, há bons caminhos para iniciar uma jornada irreversível. Pense-se no Projeto “Diversa”, plataforma de troca de experiências e construção de conhecimento sobre educação inclusiva. Tem motivado educadores, gestores de instituições de ensino, pais, pensadores e demais profissionais comprometidos com o tema. Pode ser acessado emwww.diversa.org.br.

Outra boa dica é o Portal dos Professores do MEC, a disponibilizar recursos educacionais que facilitam e dinamizam o trabalho dos professores. Há sugestões de aulas de acordo com o currículo de cada disciplina e recursos como vídeos, fotos, mapas, áudio e textos. Acesso: portal.mec.gov.br/portal-do-professor.

O Move Brasil é uma campanha aberta com o intuito de aumentar o número de brasileiros praticantes de atividades físicas, expandir e facilitar a oferta de esporte em todo o Brasil e mostrar às pessoas o esporte e as atividades físicas como algo prazeroso, e ainda capaz de melhorar a qualidade de vida e promover o desenvolvimento social. Disponível em www.movebrasil.org.br.

Para os mais interessados em esporte vinculado à educação, pois nada mais interessante para a juventude do que apropriar-se de uma modalidade esportiva, existe o Centro Esportivo Virtual, criado pelo Professor Laércio Elias Pereira, Doutor em Educação Física pela Unicamp e fundador dessa organização não governamental originada de sua Tese de Doutorado em Educação Física. O Centro congrega quase 50 mil participantes, 150 comunidades e dispõe de uma biblioteca de 50 mil documentos, entre revistas, livros, trabalhos de congresso, dissertações e teses, vídeos, legislação e outros. Consulte em www.cev.org.br.

E como estamos em época de Olimpíada, o Transforma –www.rio2016.com/educacao é o programa de educação que traz para dentro das escolas os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio em 2016. Além do acesso a diversos conteúdos didáticos, os profissionais podem participar dos cursos virtuais e dos treinamentos presenciais.

Enfim, as redes estão disponíveis para um projeto inclusivo consistente. Missão para a qual todo brasileiro consciente, lúcido e de boa vontade está sendo requisitado. E com urgência!

Fonte: Correio Popular | Data: 19/08/2016
JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail:imprensanalini@gmail.com.

Compartilhe